Malas cheias e o teste dos correios

Tô cansada de passar a tarde arrumando mala. Se tem algo que não gosto é o de empacotar tudo pra voltar da viagem. Tudo rende e muito. Mesmo quando não se compra nada, parece que a mala não fecha direito. Coisas do gênero não intendível. 
Confesso que comprei além do necessário, isso foi detectado depois de comprar uma mala enorme, que empacotada, passou 5 kgs do permitido. Ela está me esperando em Orlando pra levar pra casa, depois de retirar excesso, senão me custará $200.00 obamas.

A pequena tá assim, pra arrebentar o ziper, mas vou partir desse jeito. 

Ainda tem my backpack...e a  bolsa que parece mais uma mala!

Depois de todos os exageros ainda vai ficar pra trás essa mala média, mais essa mochila que está no topo - todas cheias. Ficam sapatos e roupas. Sei que nunca farão faltam, assim como as milhões de peças compradas e adormecidas no closet. E nesse compasso chega-se a conclusão que tudo é vaidade senão futilidades, mas que estamos sempre loucas pra ter além do suficiente pra cobrir o corpo.

E para testar a funcionalidade dos correios e da alfândega brasileira, postarei no correio amanhã (dia 07/9/12) essa caixinha contendo um vestido Zara (nunca usado) - mas trouxe ele do Brasil, a sandália preta abaixo, uma camiseta Maxmara, um top Zara, um vestido de malha comprado no brechó e uma tinda de cabelo (essa talvez seja barrada por ser item de beleza). Vamos ver quanto tempo levará pra chegar. Vou colocar o endereço do nordeste. Isso faz demorar mais, se chegar....Mike acredita que nunca mais verei a caixinha, pediu pra pensar bem e não quer me ouvir chorar pelo sapato que amo. Esse é o único produto da caixa que me custou algumas cifras, tá usado, veio de casa comigo na malinha e vai tentar voltar sem mim. Tudo por um teste da funcionabilidade dos serviços dos correios.
Tchau sandália, se eu não pisar em você, que faças um bom tour em qualquer lugar do mundo, nos pés do novo lar.
Dentro de mil e uma futilidades que ficarão: tem o vestido e o short H&M, mais esse sneakers antigo que tem me acompanhado por diversas viagens.

Quem tomará conta das minhas coisas: Mike, o sr. marido, quando ele resolver vir por aqui e levar pra casa dele no Canadá ou então ficará por conta do Justin, ou não, para quando um dia eu resolver voltar em Syracuse or Liverpool/NY.
 Agora preciso dormir. Saio cedo.


Comments