Meu percurso pra chegar na Tailândia x controle da febre amarela no aeroporto de Bangkok

Olá mundo do lado de lá por agora estou do lado de cá..kkkkk. Brincadeiras a parte, para quem me segue no instagram ( já segue? @sosodreams) percebeu que estou na Tailândia em estado de engorda. Gente, acho que nunca comi tanto, é até pecado. Aqui tudo parece ser mais gostoso ou será que é gulodice mesmo? hahaha.

Dando continuidade a saga da viagem, depois de colocar as pernas para o ar por uma noite em Paris em um hotel no aeroporto (Ibis), peguei voo para Frankfurt, fiquei de plantão por mais 3 horas aguardando o próximo destino. O bom é que andei pelo duty free - paraíso de compras, mas veio comigo apenas um creme para o corpo, isso porque não trouxe nenhum. Uh, economia total, afinal tem muita conta pra pagar.::))

Me sentindo descansada foi só pendurá-las por 11 horas naqueles bancos desconfortáveis da classe econômica, que senti dor até na unha (filhos, estou velha e tudo doi), cheguei no aeroporto mais eficiente do mundo: HONG KONG e pude ter o primeiro contato com a Ásia. 

Obviamente, marinheiro de primeira viagem que sou e com 5 horas de espera para o próximo voo fiquei lá, do lado de fora, comendo e bebendo como se o mundo estivesse pronto para acabar, porém aguardando a hora de partir e pensando comigo: não quero ficar de plantão naquelas salas de espera..kkkk..me lasquei. Perdi o melhor do aeroporto.
preste atenção na quantidade de números de portões....mais de 500
Esse mundo era mais imenso que minha oca mente pudesse imaginar. Tive que pegar um trem lá dentro, super rápido e então dei de cara com um imenso shopping. Dio Santo, não sabia se olhava o relógio, se olhava em busca do portão onde deveria estar naquela exata hora ou se mirava nas lojas. Imagina tudo e muito mais em um mesmo lugar! Gucci, Salvatore Ferragamo, Rolex, Armani etc etc etc. Ok, não tenho cacife para nenhuma delas, mas....e a vontade de botar o nariz nas vitrines?hahahaha.

Enfim, cheguei e fui praticamente a última a entrar no avião, e que avião viu? parecia mais uma espaçonave de jornada nas estrelas. Nunca vi tantas alas para classe econômica e minha poltrona era na penúltima, pensa aí...o número era 78K e ainda tinha outra ala. No final da última ala tinha uma escadaria grande e larga que os funcionários subiam e desciam e eu morrendo de curiosidade pra saber o que havia nas alturas.
 última foto da esquerda: depois das primeiras 3 poltronas há mais 4 e depois mais 3 e todas com bastante espaço. Na Airfrance e Luftansa tenho a impressão que se eu aumentar mais 5 cm no quadril eu não entro nas poltronas.
Emirates parece ser, ainda, a única companhia que segue a regra de mulheres novas e bonitas. Pareciam modelos. A comida? 3 horinhas de voo e nunca comi tão bem na segunda classe, for free, tudo muito diferente que as nossas queridas Gol e Tam. O painel de TV? enorme e com espaço suficiente para os olhos assistirem dentre os quase 200 filmes. Não consegui assistir nada na Luftansa com 11 horas de voo, pois a pequena tela ficava praticamente colada na cara e eu não enxergo nada quando se gruda algo nos meus olhos.

Único defeito da Emirates é que minhas pernocas ficaram no ar, afinal sou nanica. No mais, foi amor no primeiro voo.

Pra compensar cheguei no aeroporto de Bangkok, Tailândia, e simplesmente, fui a última a passar pelo serviço de imigração. Fui para a fila e ouvi: precisas de visto, vai em tal lugar XX pegar o visto.Achei estranho, porque li que não precisava de visto, mas obedeci, afinal foi o policial de imigração que falou. Fila de espera e chegou minha vez. Não, brasileiro não precisa de visto, pode ir direto. Mais uns minutos na espera e chegou minha vez. Claro, devolveram meu passaporte e só ouvi: precisas ir lá pegar o visto. Tentei explicar que já tinha ido nesse tal "lá", e falaram que não precisava de visto e mandaram de volta. Enfim, voltei para o local de visto. Não, você não precisa de visto. Gente, que nervo e a hora só rolando, praticamente uma da madrugada e eu de um lado para outro feito ping pong. Falei, falei e falei e veio aquela frase - não, você foi no portão 2, foi por isso, passa pelo 1. Espera, espera...e o que foi que ouvi do policial de imigração? kkkk...você precisa de visto. Jesus, aí eu apelei numa boa. Só assim ele pode explicar que não era visto, mas um carimbo no papel que se preenche, de controle de febre amarela, ou seja, nada haver e fez o favor de me acompanhar no local correto onde estava escrito : HEALTH CONTROL.

Fica a dica. Quando vieres a Tailândia saia do avião correndo, pegue os papeis na imigração, preencha-os e não vá para fila - vá direto para o controle de febre amarela - HEALTH CONTROL para pegar o bendito carimbo no papel, para depois passar pela imigração. Atenção: terás que ter o seu cartão internacional de vacinação e estar em dia com a vacina.

Passado o episódio e a raiva, encontrei quem procurava: o sr. marido e foi só felicidade..:)
Xoxo!

Comments