Rio de Janeiro - cidade maravilhosa: praias de Copacabana e Ipanema


Nublado, com chuva, acinzentado o Rio continua sendo a cidade maravilhosa. Não, nem precisa do Rei sol brilhar para iluminar o lugar. Um final de semana desses por aí resolvi fazer quase um bate-e-volta das Gerais ao RJ. Valeu a pena acordar de madrugada e voltar no dia seguinte. O bom é que dá a sensação de quero mais, do querer voltar sempre ou nunca mais voltar pra casa. Sim, ficar ali mesmo desfrutando do que o Rio tem a oferecer (só não vale tiroteiros, arrastões e afins), entrar na onda do esporte, correr de manhã e a tarde no calçadão, andar de bicicleta ainda que em zigzag, e tudo mais.

Falando nessas coisas inusitadas para o turista e básico para o carioca, na chegada, era uma manhã de sábado, por volta das 7h, eu, minha amiga e o sobrinho dela estávamos dentro do táxi e, assim que adentramos em Ipanema, lá estava um sujeito correndo pela avenida, em direção ao táxi. Ele trajava, em seu corpo robusto e alto, bermuda, camiseta e sem os sapatos, sangrava da cabeça quase aos pés. Os seus olhos de desespero e arregalados pareciam implorar por socorro. E ele veio da sua fuga direto ao táxi e tentava, no desespero, abrir a porta traseira enquanto o passageiro, que no caso, o sobrinho de minha amiga, segurava a porta para impedi-lo de adentrar. E aí que soltei ao taxista: é, acho que está acontecendo um tiroteiro mais a frente. Liga não, disse o motorista - é só uma briga. Essa foi a recepção no Rio em uma calma manhã de sábado. Ele foi apelidado de zumbi.


Ficamos em Ipanema. Era uma noite apenas. Passamos no hotel para deixar o excesso (no meu caso), porque eu estava ali de bikini, praticamente pronta para cair na água e com a sacola a tiracolo..ahahahah. À beira da lagoa Rodrigues de Freitas tinha só atletas, massagistas, personal e coisas do gênero. Como eu não sou atleta, mal sei equilibrar em uma bicicleta, a pedida foi correr, quer dizer, andar até a praia de Ipanema, bem ao estilo light.




Uma paradinha para a foto com a companheira de viagem depois de sentir a areia nos pés e o gelo da água. Pensa no susto quando molhei os pés. Havia esquecido completamente como as águas do Rio são gélidas. Dali, chegamos ao arpoador e depois fomos em direção a Copacabana. No caminho, uma parada logo na entrada de Copa para apreciar a vista e o museu, no Forte de Copacabana (entrada ao custo de R$6,00). Sempre tinha visto fotos de lá, mas não conhecia. Eu amei o lugar e vale muito passar algumas horas apreciando a baía de Guanabara, enquanto toma um drink e alarga o culote com petiscos em um dos restaurantes no local. 
 E a galera não parava de praticar esporte na água - SUP . Eta pessoal animado....ou eu que sou super mega desanimada.
O local é lindo. A melhor pedida é pegar uma mesa próxima ao mar para ter a vista sem obstáculos...hihihih

Após a visita ao museu fomos passar o resto do dia na praia de Copa. Pena que  o dia não foi longo o suficiente. O que é bom dura pouco, diz o ditado.
 Para quem ama montanhas, tipo eu, vai amar o Rio. 
It is Rio babes. The wonderful city.





Comments